quinta-feira, abril 27, 2006

Desejo dialogando com Ausência, de Vinícius de Moraes


Desejo
Por Ana Marques

Para que deixas morrer o desejo?
De ver minha face ante a sua.
Se a vê ainda que não esteja presente,
em tuas entranhas
dançando uma dança estranha
feita de gestos , de amor e de prazer

Ninguém pode notar,
mas você me pode ver...
Minha face roçando a tua...
Madrugada nua.
Em que danço dentro de você.

Não... mesmo longe não morre o desejo.
Porque desejo de carne... este tens ... que vem e vai.
Mas o desejo do espírito,
vive sem motivo,
dentro das tuas entranhas

Admirando uma dança,
sem poder definir
de onde vem, para onde partir.
Me leva consigo, sem escolha.
E parte... deixando tudo,
mas leva minha face ante a sua.

Observação: Nessa poesia, dialogo com o poema "Ausência", de Vinícius de Moraes. Quando o li, pela primeira vez, há 6 anos atrás percebi que existiam conexões, que poderia haver uma continuação. Não quero entrar com falsas modéstias ou me comparar a um poeta como ele, mas dialogar com a poesia sempre foi algo maravilhoso e que adorei fazer.

5 escritos:

Évora - Caer Arianrhod disse...

Aninha,
É muito bom poder ler vc novamente, da forma como vc gosta de escrever... voltarei mais vezes!
bjs e bênçãos,
Évora

Susan disse...

Ana... vc é terra abençoada, molhada, fértil...
conhece o poema ausência de Drummond?
veja só:

Ausência

Autor: Carlos Drummond de Andrade

Por muito tempo achei que ausência é falta.
E lastimava, ignorante, a falta.
Hoje não a lastimo.
Não há falta na ausência.
A ausência é um estar em mim.
E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços,
que rio e danço e invento exclamações alegres,
porque a ausência, essa ausência assimilada,
ninguém rouba mais de mim.

(do livro "O corpo", editora Record)

Ana Marques disse...

Susan,

em breve, aguarde um poema dialogando com Drummond... esse poema, em especial, é um dos que mais gosto. Porque, para mim, assimilar a ausência assim é retirar o poder do outro e trazê-lo para si. Perfeito!

Évora, obrigada pela visita e pelo elogio. Volte sim! Sempre.

Beijos!

Anônimo disse...

necessario verificar:)

André Salviano disse...

"Ninguém pode notar,
mas você me pode ver...
Minha face roçando a tua...
Madrugada nua.
Em que danço dentro de você."

Belíssima estrofe.

Baci ;-)