quarta-feira, fevereiro 21, 2007

Olhos Frios

Rostos do passado
impregnados
um tempo nebuloso.
Vozes que não ouço.
Mal posso sentir,
longe.
A paisagem aquece
e engana.
A luz se apaga.
A noite esconde
no horizonte
um deserto de almas.
Minha alma.
Vagando em busca
do que não tenho.
Solidão do que não ouço.
Sombras...
Posso divisar
o fundo das lembranças,
busco rostos,
não vejo.
Olhos amigos,
não vejo.
Conhecida
a dor no peito.
A noite chegou.
Vislumbres passados
Abrigos
olhos amigos.
O peito aquecia,
hoje se resfria.
Olhos frios.
Não estão comigo.
Frios poços.
Poços mudos.
Vozes perdidas,
Em noites frias.
Sorrisos inexpressivos.
Olhos frios.
Inverno que chega
e não vai.
Não mais.

Pense no que leu, ouvindo Vozes de uma dor - Vega

1 escritos:

Tatiana Mamede disse...

E a selvática lhe abraça, dizendo-lhe "bem-vinda a sua casa".


Grande retorno. Poesia linda, forte e triste, e comovente. Parabéns!

=)