segunda-feira, março 31, 2008

Vazio

Olho para os lados:
ninguém.
Cidade vazia que vejo,
que passa num lampejo.

Cantos da casa e poeira,
alguém?
O barulho da rua vazia,
a lembrança da vida corrida.

Memória do barulho e carência
também.
Recordações de crianças correndo, alegria
domingo, macarrão e frango, família

Nenhum barulho perturba ou
entretém.
Televisão preenche o vazio,
ruídos, a solidão abrevio.

Tristeza, solidão e vazio
mantém.
Preciso fugir dessa masmorra.
Saio, antes que eu morra.

Obs: Amigo Chip, a poesia é minha, os sentimentos são seus.

1 escritos:

Anônimo disse...

Oi, Ana, tudo bem?
Você escreve textos curtos ou mesmo já escreveu um livro? Como você gosta de escrever, queria recomendar a você um site sério. É o portal MESA DO EDITOR, que apresenta suas obras a editoras. Lá tem mais de 1.100 editoras que acessam e usam o portal como um "google" de obras inéditas. Mesmo se não quiser fazer uma assinatura, eles apresentam de graça seus trabalhos a editoras durante um dia por mês. Vale tudo: livros, contos, poemas, etc. O endereço é _www.mesadoeditor.com.br_ .