quarta-feira, abril 02, 2008

Senhora

Ouve, Senhora, meu apelo!
Minha ordem, minha súplica, meu desejo.
Crie em mim a sua força,
me recria e me destroça.
Abre o meu peito e ouve o lamento.
O som do animal que não enfrento
que deseja sair de mim.

Ouve, Senhora, eu enlouqueço!
De sonhos, de vida, de anseios.
Eu vivo a sua terra
enquanto broto, meu peito encerra.
Eu não nasço, não morro, portanto...
presa sem rumo, no limbo:
eu não crio, não temo, nem rio.

Ouve, Senhora, eu reconheço!
Sua presença, sua insistência e o meu temor.
Abre meu peito, eu insisto!
Liberta a euforia, eu não resisto.
Quero brotar, morrer, sair do limbo:
criar, partir, temer e rir.

Ouve, Senhora, meu canto e festejo!
De amor, de dor, alegria enfim.
Abriste meu peito e dele voou
um dragão sem destino e meu destino traçou.
Agora eu broto, nasço e morro por fim.
Sem medo, não temo: viver e partir.

6 escritos:

keroj disse...

Gostei do estilo,tbm faço meus rabiscos mas nunca consigo um estética assim.Parabéns!

keroj disse...

Gostei do estilo,tbm faço meus rabiscos mas nunca consigo um estética assim.Parabéns!

caio arroyo disse...

Profundo e muito bem escrito, eu tambem escrevo textos desse estilo, ja ate tive blog de textos assim.Mas nunca consegui essa estetica que voce consegue, parabens

MaxReinert disse...

Pois... se tem uma coisa que eu acho difícil de escrever é poesia!!!

A pessoa tem que ter muita técnica e sensibilidade para poder fazer isso bem!!!

MaxReinert disse...

Olá Ana...
Eu sempre me abstenho de colocar uma opinião pessoal sobre a escrita de alguém... principalmente num local público, onde todos podem ler!

De qualquer forma, já que vc me cobrou, cá estou eu... o que posso dizer sobre seus poemas? Bom, eles carregam uma energia feminina bastante forte e, talvez por isso, não me identifiquei muito com a temática.

Por isso preferi falar da técnica... pois acho que são bem escritos, coisa que eu sou incapaz de fazer!!!

Um grande abraço!

Felipe Cavalcanti disse...

Lindo poema-prece... Eu gosto muito, já que assim me relaciono com os deuses de uma maneira tão direta quanto (ou mais que) um transe religioso. Fazer e ler em volta alta, dançar o poema. Parabéns pelo bom gosto e principalmente pela visceralidade deste. Ah, Ana Marques... sim da Mito e Magia...rs Bjs.