sábado, agosto 30, 2008

Onde estará meu prazer?

fotografia por George Doyle

Onde é que estou
se não reconheço meus traços?

Onde estará meu prazer?
Perdido.

Um buraco negro no espaço.
Um segundo entre dois passos.
Um destino destraçado.
Onde estará meu prazer?
Eu o perdi num dia de chuva,
numa tarde de sol,
no brilho de um farol.
O perdi numa tarde ventania
em que o vento soprava
enroscava, batia.

Os corpos iam ao chão
e o prazer se perdeu
embrenhou-se num vão.
O vão dos perdidos
corpos vadios
ventania vazia
virada em brisa.

Emoção que ficou
numa noite esquecida.

1 escritos:

Erika disse...

que bonito e triste, aninha!
vou te linkar no meu blog!