sexta-feira, setembro 26, 2008

Sem limites


fotografia por George Doyle
Quero ser tua
todos os dias
nua e crua
sangrenta e fresca
sem cozinhar.

Quero ser toda
o tempo todo
sem medo
nem sonhos
para acalentar.

Quero ser inteira
repleta, plena
de desejos, carinhos
virtudes e vícios
e te viciar.

Um corpo macio
dormente, esguio
pronto esperando
num doce abandono
para te encontrar.

Limites vazios
de linhas e esferas
segura essa fera
arrematada no cio
pronta para atacar.

E se eu te quero,
um querer sem medida,
aquece, acaricia.
Liberta esse cio
para te dilacerar.

2 escritos:

Camilinha disse...

como esses posts sobre o desejo mechem comigo...
e tão fortes são...
as palavras articularam-se da melhor forma possível
:D

Paulo Fodra disse...

Palavra que vem e atravessa / espirra sangue e linfa / da ferida aberta / em cima dos lençóis brancos / e torna tudo real!

Beijos,