sexta-feira, fevereiro 11, 2011

Dons e Maldições

Imagem: evilmuffins

Existem dons
e maldições.
Escrever é dois
em um.

Amaldiçoada
escrevo nas madrugadas
o que (nem) sempre
sinto.

E o dom renega
o cansaço e a entrega
tomando apenas:
no corpo a caneta,
na mente a rima,
no coração a imagem.

Forma um retrato
(incompreensível)
do que vejo
e não sei pintar
só (mal)dito.

***

Em resposta ao desafio proposto pelo amigo Marcelo Mayer através da pergunta "Por que escrevo?". Como sou pessoa de sorte, tenho a companhia, nessa empreitada, dos amigos e escritores: Menina Misteriosa, Carriço, Paulo Fodra e Rodolfo Lima.

6 escritos:

[ rod ] ® disse...

Incompreensão não existe quando a escrita tem teus traços fortes. Riscados à pele de quem respira tua essência.

Bjs moça!

Ju Fuzetto disse...

Não existe nenhuma incerteza na escrita, apenas sentimentos e suspiros que alimentam cada rima.Escrever é dedilhar canções num Outono quase Verão....

Um beijo linda!

Tá tão bonito tudo por aqui.

naomefazpensar disse...

É Dom, é Sir, é Lord.
É um monarca defendo seu trono. Soberano para alguns, lacáio aos próprios olhos.

Marcelo Mayer disse...

o retrato é a rima, o verso e a (in)compreensão. basta isso, feliz é quem nos lê. mais felizes é quem tem oq ler

Menina Misteriosa disse...

Ana, sua escrita é sentimento. É alma. Poucas pessoas têm o dom da palavra, como você.
Sorte minha poder te ler. Adoro pegar carona na tua imaginação. E admiro teu talento e tuas verdades!

Um beijo

MeninaMisteriosa

Mensageiro Obscuro disse...

Esse texto revela uma dualidade interessante na concepção do processo criativo do texto. É bem autobiográfico.