sábado, fevereiro 07, 2015

Meu amor




Meu amor
por Ana Marques

Meu amor,
nunca fui tão dura contigo
como durante o afastamento
o tempo passado debaixo
de nossas incertezas
Fomos além de todas as inteirezas
e assim
fomos metade

e mesmo quando grassavas ser a minha metade
metade de amor, metade de sonho, metade paixão
piscava um imenso não
um buraco, um descanso, uma escuridão
um nada que completava
minha metade solitária

eu vivia teus arroubos com tanta intimidade
que me sentia sua
sendo você
mas era tanta coragem roubada
tanta carne desprotegida
tanta ganância, tanta ironia
que me ficava eu:
cabeça oca, alma vazia.

Meu amor,
nunca fui tão dura comigo
quanto precisava para acordar dos seus sonhos
denegrir seus caminhos
para recuperar o meu rosto
desenhar meu destino
e tão absorta de mim
me perdi nesses teus olhos
e adiei os meus passos
tão necessários para que meu esboço
se tornasse retrato.

Meu amor, não diz até mais
mas eu fui ali
recuperar esse eu
essa alma que se rompeu
não me espera acordado
nem vigia minha volta
que de certos caminhos
a gente não retorna.

0 escritos: